O Apóstolo Paulo e a Sustentabilidade Financeira do seu Ministério



Hoje estava meditando no capítulo 20, do livro de Atos dos Apóstolos, e ao final desse capítulo, Paulo transmite orientações importantes para seus discípulos.

"Não cobicei a prata nem o ouro nem as roupas de ninguém. Vocês mesmos sabem que estas minhas mãos supriram minhas necessidades e as de meus companheiros. Em tudo o que fiz, mostrei-lhes que mediante trabalho árduo devemos ajudar os fracos, lembrando as palavras do próprio Senhor Jesus, que disse: ‘Há maior felicidade em dar do que em receber’ ". (Atos 20:33-35)

Realmente um dos grandes males da era moderna é a intensa comparação entre os indivíduos, principalmente na internet. A todo tempo vemos aquilo que não temos, afinal é do outro. Não devemos cobiçar riquezas, status, poder ou qualquer outra coisa. Isso não pode fazer parte de um discípulo de Jesus Cristo.

O missionário precisa estar focado em sua vocação e não abrir mão do seu chamado. Entender que uma grande visão requer grande responsabilidade e é esse contexto que o cristão se encontra.

Paulo afirma claramente que seu trabalho supriu suas necessidades. Sim, ele construía tendas, ele tinha uma profissão, uma atividade laboral, e isso contribuía para o cumprimento do seu chamado.

É importante lembrar que essa atividade não concorria com a pregação do evangelho, plantação de igrejas, discipulado de pessoas, mas uma atividade complementar para seu ministério.

Na carta aos Filipenses 4:16, Paulo afirma " pois, estando eu em Tessalônica, vocês me mandaram ajuda, não apenas uma vez, mas duas, quando tive necessidade". Isso demonstra que a solicitação de ofertas também compunha o mix de financiamento ministerial de Paulo.
Isso nos faz refletir que, embora hoje falemos muito mais sobre a questão do ministério bivocacionados, ou seja, aqueles obreiros que conciliam profissão e o evangelismo, a solicitação de ofertas, doações em prol de um ministério, pode e deve fazer parte da vida de qualquer missionário.

Levantar mantenedores para o ministério evangelístico é desafiador, sem dúvida, mas permite com que a igreja de Cristo conheça, apoie e acompanhe o desenvolvimento dos trabalhos. Dessa forma, os frutos serão colhidos juntos, assim também como, nos momentos de dificuldade, haverá suporte material e espiritual.

De qualquer forma, sejamos sábios e tementes a Deus em todo nosso planejamento. Que possamos reafirmar diariamente nossa dependência do Senhor em tudo o que fazemos, mas que a prudência, coragem e a técnica também façam parte do nosso trabalho nessa grande seara.

Deus abençoe!